Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

Volta ao trabalho & Amamentação: 5 dicas

Por: Prof. Marcus Renato de Carvalho + GNT / Ana Carolina Simões

 

Volta ao trabalho: dicas para o bebê não desmamar

armazenar o leite e oferecer papinha caseira são algumas das opções

style=margin:
Saiba como prolongar a amamentação / Foto: SXC

Por Ana Carolina Simões

Voltar ao trabalho é um momento temido pela maioria das mães. Após o fim dos 120 dias de licença-maternidade - que, no Brasil, podem ser estendidos para 180 dias, se o empregador aderir ao Programa Empresa Cidadã, da Receita Federal - muitas delas questionam: será que o bebê rejeitará o seio e vai parar de mamar?

Reunimos abaixo dicas do pediatra

Marcus Renato de Carvalho, especialista em amamentação, para garantir que seu filho continue mamando no seio por muito tempo. Confira!

 
  • 1
     
    Estendendo a licença-maternidade
    Segundo Marcus Renato de Carvalho, pediatra, mestre em saúde pública e professor do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da UFRJ, com planejamento e dedicação é possível estender o aleitamento por muito tempo.

    A primeira dica é tentar prolongar a licença-maternidade. "Se puder, tire férias logo após o período da licença. Isso garante mais um mês de aleitamento materno exclusivo", sugere Marcus. Além disso, mediante atestado médico, ainda é possível estender por mais 15 dias a licença-maternidade caso a mãe ou o bebê apresentem algum problema de saúde.

    Licença-maternidade: conheça seus direitos
  • 2
     
    Do seio para a comida caseira
    Se você já sabe o dia em que voltará a trabalhar, calcule uns 10 dias de antecedência para iniciar a introdução de papinhas caseiras de legumes e de frutas na alimentação do bebê.Marcus Renato defende que esta é a melhor maneira de suprir a ausência do leite materno. "Ofereça duas papinhas de legumes e duas de frutas durante o dia. Além disso, o ideal é que a mãe amamente antes de sair de casa e assim que voltar do trabalho. Se na madrugada o bebê quiser mamar, ofereça o seio também." O pediatra alerta que alguns bebês podem sentir a falta da mãe e, por isso, acordam mais vezes durante a noite.

    Anote receitas de papinhas caseiras orgânicas
  • 3
     
    Fugidinha na hora do almoço
    Trabalha perto de casa? Então você pode dar uma fugidinha na hora do almoço para amamentar seu filho. "A CLT garante dois intervalos de 30 minutos cada durante o horário de trabalho - até a criança completar 6 meses - para que a mulher descanse ou amamente seu filho. Você pode combinar com seu gestor de juntar esses dois intervalos em um só e tirar uma hora de descanso para ir em casa amamentar", sugere o médico.

    Como se preparar para a volta ao trabalho após a licença-maternidade
  • 4
     
    Armazene seu leite
    "Faça ordenha do seu leite de duas a três vezes por dia em um ambiente propício para isso, como numa sala reservada. Nunca a faça no banheiro, pois o ambiente é contaminado por coliformes fecais", alerta o pediatra. O leite deve ser armazenado na geladeira e levado para casa em uma bolsa térmica ou isopor com gelo, para garantir que chegue ainda resfriado. "O leite pode ser estocado no freezer por até 3 meses e, na geladeira, por 24 horas".

    Além de garantir que o bebê se alimente com seu leite, a ordenha diária estimula o corpo a continuar produzindo leite, prolongando o aleitamento que, segundo o Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria, deve ser feito até os dois anos de idade da criança, ou mais.

    Amamentação: pediatra ensina a coletar o leite
     
  • 5
     
    Evite as fórmulas
    Os leites de outras espécies, que não o materno, devem ser evitados. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria e o Ministério da Saúde, as fórmulas podem causar alergias, obesidade e doenças crônicas, como hipertensão e diabetes. "Este tipo de leite só é indicado em casos extremos, como para mães portadoras de HIV e aquelas que não produzem leite", diz o pediatra Marcus Renato.

    Como doar o leite materno excessivo

Última atualização: 7/1/2014

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
23 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital