Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

HAPTONOMIA - A Ciência da Afetividade

Por: Stéphanie Sapin-Lignières

Haptonomia - A Ciência da Afetividade

Ali está ele. Minúsculo, frágil, ainda em formação, fechado num mundo turvo, aquecido e aparentemente isolado. Como que numa redoma, o feto parece alheio a tudo o que acontece no "outro planeta" lá de fora. Mas a verdade é que desde sua concepção, o bebê está recebendo vibrações e sensações vindas do corpo da mãe e também do ambiente que a cerca. Pela barriga materna passam a claridade, os sons, sensações sutis e até a pressão sofrida por roupas justas.

Assim, através da pele, o bebê tem condições de perceber os momentos de relacionamento da mãe, que tipo de emoções ela está passando, de que está se alimentando ou até o momento em que fuma!

É na gestação que os pais iniciam um relacionamento íntimo com o filho e a partir dele, plantam sementes de equilíbrio, inteligência emocional, segurança e até saúde. Nesse mundo de estímulos a participação deles é fundamental, e pode ser iniciada com a prática da Haptonomia.

Do grego Hapsis: o toque, o contato, mas também o afeto, a sensibilidade e Nomos: a regra, a ciência, a norma; é traduzida pelo seu criador, o holandês Drans Veldman, por "Ciência da Afetividade".

Considerando que as pessoas de hoje não são "enfermos de contato" ou "enfermos sensoriais", a Haptonomia se propõe a resgatar o contato físico como uma forma de tratamento para uma grande parte das doenças e, até uma forma de prevenção para a maioria delas.

Desconhecida no Brasil, a Haptonomia está crescendo na França onde Veldman tem muita influência no meio médico e vem formando terapeutas do mundo inteiro no Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Haptonomia, na Holanda.

Em seu livro"O Tato", Ashley Montagu afirma que o tato é o sentido mais primário de percepção do ser humano e a pele do feto (a ectoderme) capta todas as sensações que a atingem.

A prática da Haptonomia na Obstetrícia tem obtido resultados comprovados. O médico francês Etienne Herbinet, que se preocupa há muitos anos com o bem-estar do bebê dentro e fora do útero, descreve:

"Em Haptonomia, o terapeuta guia a mãe e o pai para que fiquem plenamente presentes em suas mãos e, para que a mão não se limite a tocar o corpo, mas que seja o lugar de encontro com o bebê que passa a responder as solicitações. Os pais descobrem um novo prazer de contato: a descoberta da criança como sujeito e essas experiências vividas a três são muito emocionantes."

Stéphanie Sapin-Lignières

(Childbirth Educator and Labor Assistant)


Última atualização: 1/12/2010

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital